Dia nacional da visibilidade Trans (29 de janeiro)

Fernando Baptista

Terapeuta de Família e Casal e Sexólogo



Na semana do dia 29 de janeiro, comemoramos o dia Nacional de Visibilidade Trans.

Preparei um texto com algumas dúvidas bastante frequentes com a intenção de apresentar a vocês as pessoas Trans.



O que é ser trans?

O termo trans significa do outro lado. Pessoas trans são aquelas que de algum modo rompem com as barreiras do gênero do nascimento. Por exemplo: transexuais, travestis, cross-dressing, drag queen, dentre outros.

Em 2016, a Comissão de Direitos Humanos dos Estados Unidos nomeou 31 tipos de gêneros. Dentre todas essas possibilidades estão os transgêneros.


Qual a diferença entre ser gay e ser trans?

A diversidade sexual e de gênero é "dividida" em dois grandes grupos: o da orientação afetivo/sexual e o da identidade de gênero.

Orientação afetivo/sexual é para onde o desejo das pessoas os orienta: para homens, mulheres, ambos ou ninguém. Dentro desse grupo estão as pessoas homossexuais, heterossexuais, bissexuais, pansexuais, assexuais, dentre outras.

Já a identidade de gênero é com qual gênero as pessoas se identificam: masculino ou feminino. Essa identificação pode estar de acordo com o sexo do nascimento ou não. E em outros casos, essa identidade pode fluir, ou seja, são pessoas que não se identificam com um único gênero e até aquelas pessoas que não se identificam com nenhum dos gêneros.


Complexo? Confuso?

Quando falamos em construção ou manifestação da identidade e da sexualidade as coisas não são simples ou padronizadas. Trata-se de um processo de construção individual e subjetivo. É complexo mesmo.


Qual a diferença entre transexual e travesti?

Como exposto na questão anterior não existe padrão ou uma resposta única. Alguns autores diferenciam transexuais e travestis pelo desejo de retirada do pênis. Mulheres travestis, de acordo com eles, são aquelas que fazem todo o processo de transição para o gênero feminino, porém não desejam retirar o pênis.

Entretanto, para alguns grupos essa diferenciação não faz sentido. Existem mulheres trans que desejam ser tratadas como transexuais mesmo sem desejo de retirar o pênis por conta da imagem negativa que existe em torno do termo travesti. Enquanto que outros grupos defendem o uso do termo travesti exatamente para mostrar que uma mulher travesti é uma mulher como qualquer outra e que essa identidade não está necessariamente relacionada com a prostituição.


Como devo me referir a uma pessoa trans?

Essa é uma questão bastante importante. A melhor forma de saber como se referir a uma pessoa trans é perguntando respeitosamente: "Como você quer que eu te trate?"

Esta pessoa te dirá se ela quer ser tratada no feminino, no masculino, se tanto faz, com qual nome ela ou ele quer ser chamada(o)...


Quando falamos em diversidade são muitos nomes, siglas e termos. De fato é bastante complexo. Então, quando estiver diante de uma pessoa trans, lembre-se da frase do Jung: conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.


Referência bibliográfica:

FACCO,Lucia. Era uma vez um casal diferente. Editora Summus. 2009.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Transexualidade e Travestilidade na Saúde. Brasília. 2015

SOLOMON, Andrew. Transgêneros. In: Longe da árvore. Editora Companhia das Letras. 2013.


* Fernando Baptista - Terapeuta de Família e Casal. Sexólogo (USP). Mestre na área de Saúde Mental pela UNIFESP. Membro da Associação Brasileira de Terapia Familiar (ABRATEF) e da Comunidade Reinventando a Educação (CORE). Professor do Curso de Formação em Psicanálise do INTEGRA.


#Sexualidade #Trans

0 visualização

SINPESP - Sindicato dos Psicanalistas do Estado de São Paulo

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Segunda-Sexta 10h às 18h

ENDEREÇO

Rua Cel. Artur de Godói, 157

04018-050 - Vila Mariana - SP

sinpesp@sinpesp.com.br

Fone: 11 5575.2063  | WhatsApp 11 94298.8918

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

© 2019 Sinpesp.

Criação: Ágora Escritório de Comunicação